Drama,

#Resenha: O melhor de você - Mia Sheridan

março 29, 2019 Sâmela Faria 0 Comments


Título: O melhor de você

Autora: Mia Sheridan

Editora: Universo dos Livros

Páginas: 384

Ano de publicação: 2018

Onde comprar: Amazon | Saraiva


A História


Crystal é stripper e trabalha numa boate, mas ela odeia o seu trabalho e, principalmente, os homens que frequentam aquele lugar, no qual ela é obrigada a dançar para eles.

A moça nunca teve uma vida fácil desde o dia em que se viu sozinha na casa de um pai que nunca lhe quis. Tudo o que Crystal viveu e ainda vive lhe faz desacreditar totalmente na figura do homem bom, do amor, da paixão, do desejo... afinal, ela nunca conheceu nada disso.

Sua vida tem uma reviravolta quando ela conhece Gabriel.

Aquele Gabriel.

De início, ela não o reconhece, mas depois percebe quem ele é... afinal, seu rosto apareceu em todos os jornais na época do acontecido, quando ele ainda era uma criança. Com um jeito tímido e recatado, Gabriel apresenta à Crystal seu pedido de ajuda.

E pronto. O que era para ser apenas mais um serviço para ela acaba se tornando algo estranho, porém tão bom que a moça passa a questionar tudo o que lhe fora dado até aquele momento.


Personagens principais


Crystal é uma menina-mulher, sim, porque sua infância lhe foi roubada completamente. Ela cresceu conhecendo o amor para, bruscamente, deixar de conhecê-lo, e pelo contrário, conhecer o pior lado do pior ser humano. Ela é stripper e odeia o que faz, mas sabe que não há outra maneira, não que nunca tenha tentado antes. Tudo o que ela faz é sobreviver. Sobreviver aos dias. Às consequências. Aos abusos que sofre. Aos momentos drasticamente ruins... porque ela diz ter aprendido na marra que quando se submete e fica inerte tudo acaba mais rápido. É quando conhece Gabriel que sua vida tem uma reviravolta e ela passa a ter esperança, mesmo que ainda não acredite.

Gabriel é um rapaz jovem e novo. Ele é conhecido por onde passa por ter tido, assim como Crystal, sua infância roubada. Mas, diferente dela, ele foi parar nos noticiários de toda a região. Hoje, mesmo após anos, todo mundo ainda lhe olha de modo questionador. No entanto, Gabriel nunca se deixa abalar. Ele tem um coração gigante e ama infinitamente. Gabriel é escultor e faz lindas esculturas. Ele mora com o irmão, que vive no seu pé. Quando conhece Crystal, ali, dançando para aqueles homens que dizem coisas horrendas para ela, algo dentro dele se quebra. Algo dentro dele o faz escolhê-la para pedir ajuda. Um pedido estranho e sem sentido, que ele só percebe depois, mas que lhe faz entrar para a vida daquela mulher que ele tanto quer saber o nome... e sua história.

Capa, escrita e detalhes


A capa do livro é muito simples e eu não gostei. Achei a flor que ilustra a capa um pouco nada a ver com a história, além do fato de ela estar sendo destruída.

A escrita da autora é boa e fluída, mas senti que muitas cenas estavam ali só para compor páginas... Acredito que o livro poderia ser bem menor. No entanto, é uma escrita emocionante e, por vezes, quase crua. O livro é narrado em primeira pessoa alternando entre narrativas dos protagonistas Gabriel e Crystal.

A história é acrescida de muitas cenas e vários assuntos são abordados. O abuso sexual é o mais forte e visível no contexto do livro, mas senti que não foi tão bem construído. Acredito que o fato de a autora ter trazido para a trama muitos temas e muitos dramas fez com que o assunto principal fosse abordado de forma rápida e sem as discussões necessárias.

De início, eu estava amando. Comecei o livro já chorando, então pensei “vai ser um livrão”. Só que, da metade em diante, o livro desandou para mim. E foi muito decepcionante, porque eu realmente estava gostando e torcendo muito pela personagem.

Para que entendam meu descontentamento: se trata de uma história bastante dramática mesmo, acho que nunca li um livro com tanto drama... A verdade é que nada nessa história me convenceu. Os dramas vão surgindo como gostas de chuva num princípio de tempestade, e quando você pensa que aquela personagem já sofreu de tudo, pá!, mais uma coisa surge.

No entanto, se as coisas que foram surgindo fossem bem trabalhadas e fizessem você sentir que tudo fazia parte da história ainda vai, mas a mim não convenceu. Pareceu que estavam ali para chocar e mais nada, o que é uma pena.

Quanto ao casal principal, nossa... mais uma decepção. Não me convenceu de jeito nenhum. Não senti química entre eles... embora os dois fossem tão destruídos por um passado terrível. Além disso, Gabriel com seu jeito de bom moço me causou mais susto do que admiração. Fiquei me perguntando como é que alguém passa pelo o que ele passou durante seis anos e fica super de boa com isso? Sem nunca perder a cabeça?

Conclusão


O Melhor de mim foi uma história que tinha tudo para me fazer amá-la, mas não me convenceu. O enredo era bom, sôfrego e com aquela trama que choca e emociona, mas me causou mais raiva que outra coisa.

É um livro que conta a história de dois personagens muito ferrados pelas injustiças e covardias humanas, que se encontram e acabam suprindo um no outro aquilo que o outro precisava, mas o próprio casal me pareceu meio forçado e sem química.

O livro conta com cenas fortes de abuso sexual e violência contra mulher, o que muito me deixou apavorada porque não achei que teve um bom proveito na trama, sabe? Não foram bem trabalhados e solucionados de forma convincente, deixando parecer, mais uma vez, que era uma cena apenas para chocar, embora saibamos que isso faz realmente parte da história da crueldade humana na realidade.

Enfim, achei que a autora pecou bastante nesse enredo, porque se propôs a discutir inúmeras questões importantes, mas para mim não fez um bom trabalho. Faltou cuidado e atenção com as questões trabalhadas, faltou química entre os protagonistas e uma história mais sólida no passado e na atualidade da vida de ambos.

No entanto, recomendo para que leiam e tirem suas próprias conclusões.
Comentários
0 Comentários

0 Recados:

E você, o que achou do post? Me conte aqui nos comentários!
Deixe seu link para eu conhecer seu blog também. ;)