Amor,

O amor existe

janeiro 07, 2019 Cláudia Goliver 4 Comments


https://pixabay.com/pt/pessoas-menina-mulher-sorriso-2603836/
Talita era uma garota normal como as outras; de estatura normal, nem alta nem pequena, nem magra nem gorda, tinha cabelos pretos, olhos profundos e castanhos, sorriso fácil largo e meigo, de pele branca e boca rosada. Era sonhadora, aventureira, alegre, extrovertida; gostava de sempre ajudar aos outros, de conversar mas também de ouvir. Era batalhadora por seus sonhos, amante da vida e da natureza, das crianças e dos animais, se encantava com as coisas simples, porém o que quase ninguém imaginava era que ela não acreditava muito no amor, naqueles que nascem assim do nada, sem nenhum laço de sangue.

Ela detestava quem lhe dissesse que a amava, achava mega clichê dizer “te amo”, e sempre que ouvia isso dava sua melhor risada de deboche. Falava que não era mais criança para acreditar em contos de fadas. Ninguém nunca soube ao certo o porquê daquilo, se foi uma grande decepção ou algo do tipo, no fundo nem ela mesma sabia, mas acredito que o real motivo era que, de fato, Talita nunca tinha encontrado o amor verdadeiro. Ela era sensitiva, então sabia muito bem quando algo não era sincero, quando não era vindo do coração. 

Até que em um belo dia, Talita esbarrou com o amor e descobriu o poder dessas palavras “eu te amo” e do quão importantes e necessária elas são. E que, sim, não são clichês quando são realmente sinceras. Encontrou alguém capaz de provar para ela que o amor existe além dos laços sanguíneos, através da distância, das diferenças, das idades, das classes sociais e raças, e, o melhor, mostrou a ela que para ser amor não precisa ser propriamente um par romântico.

Ela, que sempre gostou de sua liberdade, acho que tinha medo de assumir que o amor existia e acreditava que só era amor se fosse um par, porém Talita descobriu que existem várias formas de amar. E foi então que sua vida mudou. Se antes já era boa, cheia de muita luz e cor, agora virou realmente uma festa, uma primavera, um arco-íris. Agora, ela diz eu te amo para quem realmente ama e sabe que será recíproco e sincero, só não espera ouvir um “eu também”, pois gosta de criatividade...

Seu sorriso agora tem mais cor e seus olhos brilham quando ouve essas palavrinhas mágicas, tão pequenas e tão grandes ao mesmo tempo. Vive cantarolando um trecho de uma musica “O amor existe, o amor existe meu amor...”.

E sim o amor existe, basta acreditar!
Comentários
4 Comentários

4 comentários:

  1. Oi, Sâmela

    Há algumas pessoas que são muito céticas em relação ao amor; precisam ver pra crer. E sim, realmente há várias formas de amor, a gente só precisa estar receptivo para elas!

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Tamires!
      Esse texto foi escrito pela Cláudia, uma das colunistas aqui do blog, que escreve lindamente. Hehe.
      Mas concordo contigo, precisamos estar abertos para amar, seja de qual forma for.
      Obrigada pela visita!
      Volte sempre.

      Excluir
  2. Às vezes a gente passa por vários problemas na vida e aí esquece de acreditar novamente. normal, mas é necessário acreditar ser possível encontrar o amor verdadeiro, seja por si msm ou pelo outro, irmão, pai, mãe, profissão... sei lá.
    Adorei o texto. Muito lindo.
    Até mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens toda razão, não podemos é perder a esperança e a vontade de acreditar no amor sempre.
      Obrigada e que bom que gostou do texto fico feliz.
      Beijinhos volte sempre.

      Excluir

E você, o que achou do post? Me conte aqui nos comentários!
Deixe seu link para eu conhecer seu blog também. ;)