Ela decidiu mudar



Imagem via Pixabay

Foi quase instantâneo.  Ela não conseguiu nem se lembrar de como era antes. Já não fazia mais questão de comparar o seu progresso, não mesmo. Foi a partir do dia em que se olhou no espelho de uma vitrine qualquer e viu outro alguém, um alguém que não queria ser, não mais, que ela decidiu se trancar e só sair quando se transformasse.

Feito uma borboleta, decidiu voar, libertou-se daquele mísero casulo onde se prendeu por tantos anos. Viu a luz do dia e percebeu o quanto podia ser melhor, o quanto podia prosperar dentro de si mesma. Foi uma dura decisão, porém necessária. E ela sabia que era o certo a se fazer, afinal, não dá para ser quem não é de verdade por muito tempo.

Não dá para viver no esconderijo, por trás de uma casca que mostre alguém diferente de quem grita dentro do peito. Uma hora ou outra, ela sabia que não aguentaria fingir mais. E, ao ver seu desenvolvimento nitidamente estampado, não mais se reconheceu.

Ela precisava se explorar novamente e começar desde o início. Precisava conhecer aquela que sempre aniquilou dentro de si, que nunca quis conhecer de verdade, que nunca quis que alguém visse. Anotou suas novas manias e certificou-se de que era alguém com províncias aprimoradas. Entretanto, por incrível que possa parecer, ela continuava inalterável.

Continuava aquela que, ao ouvir uma única palavra tocante, chorava. A que não aceitava desaforos da vida e nem nunca se limitava aos trancos e barrancos de seus passos tortos. Jogava-se de corpo e alma a qualquer tarefa que lhe parecia interessante. Aquela que sempre coube no menor sofá da sala e que não dormia de outra forma desde que não fosse embolada num canto da cama. A que jamais deixou alguém na mão quando ouvia um “preciso de você”. E de seus modos e contratempos não conseguiu se livrar. E que, no decorrer de seu crescimento, permaneceu intacta, invariável por dentro.

Não mais sabia voltar no tempo, não que fazia questão. Deixou para trás tudo que um dia lhe fez mal. Até hoje não acredita que pôde adquirir tanta alternância assim. Entretanto, via o quanto evoluiu. O quanto ganhou com sua roupa verdadeira, seus gostos sinceros, seu modo de ver o mundo e sempre acreditar no amor. Deixou de ser apenas um vazio dentro de uma casca qualquer: se tornou preenchida de si mesma.

Tudo na vida conclui-se em mudanças, não existe algo que jamais tenha passado por essa fase macabra. Sim, ela fazia parte de tudo dito aqui, porque, quando decidiu que queria ser outra, logo se reformulou completamente. E, no fundo, bem ali no profundo da alma, ela era quem realmente era agora, mas continuou a mesma, apesar de estar completamente diferente.

2 comentários:

  1. Oieee desculpa o sumiço mais estou de volta eeeh rsrs
    Que belo texto, realmente a vida nos muda a cada dia um pouquinho e nem percebemos, as pessoas que cruzam nossos caminhos também contribuem para tal mudança levam um pouco de nos e deixam um pouco de si. Parabéns bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senti sua falta! Hehe.
      Exatamente isso: "levam um pouco de nós e deixam um pouco de si".
      Obrigada, lindona! Volte sempre e não some. Haha.
      Super beijo,
      Sâm.

      Excluir

E você, o achou do post? Me conte aqui nos comentários!
Deixe seu link para eu conhecer seu blog também. ;)

Nosso instagram!