Conheça nossa página

Não era pra ser


Eu planejei você e eu. Tinha flores, um perfume delicado e amadeirado. Tinha um efeito como no preto e branco que, de repente, se colore. Não desbota com o tempo. Ganha cores ainda mais brilhantes. Tinha luz, não tão forte como a lâmpada, mas radiante feito o sol. Não tinha efeito sépia, mas parecia cena de filme antigo. Sem roteiro, sem figurantes. Só você e eu caindo na lástima do romance cinematográfico, em pleno flagrante. Talvez tenham sido os pássaros que espalharam nossas cenas. Talvez tenha sido o tempo que, passando, debochou de nós por tudo aquilo que ficou na memória de um planejamento perfeito, mas que nunca existiu.

Eu planejei você e eu, e o beijo que eu não te dei ainda está lá, bem no fundo da vontade acumulada de ter feito parte das cenas reais, não só as que surgiram antes de dormir. Era doce, nada como gosto de balas, talvez como a sintonia da poesia que nos transmite paz, doçura e esperança nas coisas belas. Era simples, nada demorado e nem como desentupidor de pia. Era diferente, novo, fora do comum, talvez por ter sido tão elaborado antes. O beijo era assim, sem início, meio, só mesmo com um fim.

O beijo que não te dei ficou lá nos planejamentos que adotaram eu e você como protagonistas. E mesmo que já não existam mais, existiu um dia. Não o beijo. Não o abraço. Não o dia marcado. Mas existiram as palavras não ditas que, sinceramente, nós dois sabíamos. Quem via, percebia no silêncio do nosso olhar, assim como nós percebemos que era pra ser, mas que jamais seria. Não houve amor, porque nós desistimos de tentar. Se é que tentamos algo. Se é que havia algo. Mas, sabe? Já não importa mais, rapaz.

Já não vai adiantar me infiltrar com seu olhar, depois de anos, por trás da carcaça que já não mais conheço. Não há chance, porque nunca quisemos uma de verdade. Não há esperança, porque nunca entramos pra fila. Não há amor, porque nunca permitimos que fosse. O beijo que eu nunca te dei já foi dado, na verdade, no cara que invadia meus pensamentos em madrugadas estranhas e sem sentido. Foi deixado no papel do roteiro nada planejado de um filme em que nunca atuamos. Não viramos romance, cara. Viramos pó. Parte daquilo que deu apenas uns dois passos para o futuro e incontáveis para o passado.

Eu planejei você e eu, mas a vida nunca considerou nossos encontros. Somos inúmeros desencontros. E o beijo ficou lá, no lugar de onde nunca permitimos que saísse. E o mais estranho é perceber que, mesmo que nós tivéssemos embarcado nessa história, jamais faríamos sentido, porque nós nunca fomos compreendidos totalmente um pelo outro. Nunca seria amor, porque não dá pra fugir daquilo que se ama. Houve fuga em nós. Houve um beijo marcado pela realidade que nunca existiu de verdade. Houve um começo, mas nunca seria com destino ao futuro. Fomos o começo de um passado distante, tão distante que podemos até não esquecer, mas jamais sairemos ilesos por lembrar.

A gente sorri ao lembrar coisas boas. Chora ao lembrar coisas que talvez teriam sido boas, mas, no fundo, não foram. É que a gente cresce e percebe no hoje, coisas que jamais veríamos no passado. O passado não esconde apenas nossos segredos e histórias, mas nos proporciona experiência e aprendizado. E, com você, aprendi a nunca desistir daquilo que te faz perder o sono à noite. Irônico, não? E hoje só perco mesmo a conta de quantas vezes sorri com o coração e me devolveram com a alma. Porque nós não poderíamos ter sido, nós somos. 
Mas a gente? Nunca foi, porque, simplesmente, não era mesmo pra ser.

2 comentários:

  1. Eu senti, Sâmela. Lindo texto s2
    Quem nunca passou por isso, né!?!

    www.papuff.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mariana!
      Obrigada, linda.
      Pois é, quem nunca? Acho que é por isso que nos identificamos tanto, sempre passamos por coisas semelhantes.
      Obrigada pela visita.
      Volte sempre!
      Um beijo,
      Sâm.

      Excluir

Deixe sua opinião para nós, viu?! É bom contar com a ajuda de quem nos lê. Os comentários sempre serão respondidos.
Relaxem e teclem conosco. :*

© Escrituras da Alma - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
Modificado por: Sâmela Faria | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo