Conheça nossa página

Blogagem coletiva 1: Sobre as inúmeras coisas que eu aprendi com a vida






Oi, meu nome é experiência. Tenho um bom tempo de vida e to nesse ramo das dificuldades desde que me entendo por gente. Cresci no meio da angústia, do medo, da confusão, do conflito, do choro e do desespero. Mas, ufa, sobrevivi. Sobrevivi porque sou forte, sempre tenho uma carta na manga, sabe? Ando por aí me exibindo toda mesmo e adoro quando me relacionam com a aprendizagem. É, eu a admiro tanto... Vivo aprendendo com ela por aí.
Talvez eu seja sua melhor aluna, aquela que nunca vai embora antes da aula acabar e sempre está anotando os erros nos rascunhos para não errar de novo. Eu gosto de ser diferente. Aliás, essa é uma das coisas que a gente aprende com a vida, a ser diferente. Custa, eu sei, mas a gente aprende. Aprende que não dependemos de ninguém pra ser feliz e que nós mesmos já nos bastamos. E que a felicidade é muito mais paz interior que bens materiais e nomes renomados. A gente aprende a descarregar a bagagem se tá pesada demais e a deixar pra trás aquilo que já passou faz tempo e que de nada ajuda carregar pra frente. A gente aprende muito com a vida, e um dos melhores ensinamentos é de que nada, simplesmente nada é eterno e temos que estar prontos para perdas irreparáveis.
A gente aprende também que a dor é a pior coisa que sentimos na vida e que não, ela nunca vai nos deixar em paz. Já parou pra analisar? Tudo hoje em dia dói. Nem que seja um pouquinho como uma picada de formiga. E aí a gente aprende que não se deve chorar demais por uma única dor, existem muitas outras pra doer ainda. A gente aprende a ser mais tolerante. Sim, to-le-ran-te. É que, com o passar do tempo, a linda da compreensão consegue habitar nosso coração e começa a fazer o trabalho dela. E aí você passa a compreender melhor as pessoas e seus jeitos estranhos e tolera muita, mas muita merda mesmo.
A gente aprende também que não, amor não se pede, não se implora e nem nasce do nada. Isso que você sentiu por aquele par de olhos caramelo se chama interesse. Sim, desses com belas segundas intenções, sabe? E é só isso. Amor à primeira vista é mito. O que acontece à primeiríssima vista é a atração, a vontade, o desejo de ter aquele alguém, de manter algo além de só olhares e sorrisos. A gente aprende que o amor vai se criando com muita dedicação. Porque, antes dele, vem a paixão. Você se sente apaixonado e quer dizer que ama. Mas o amor é mais que querer ver alguém o dia todo e ter aquela vontade de falar com a pessoa de novo. A gente aprende que, só se percebe que é amor, depois que as coisas ficaram feias e mesmo assim não houve desistência de ambas partes, ou quase houve, mas alguma coisa fez com que tudo melhorasse. O amor mora na determinação de continuar, cuidar, amparar, se doar, acompanhar, ajudar e, principalmente, perdoar. O amor vive na encosta das dificuldades e traz de volta a paz daqueles que não desistem um do outro.
Eu aprendi também que o sorriso é a melhor característica de alguém. Que a certeza é a coisa mais falha que existe, que a dúvida é uma das melhores amigas que se pode ter e que a confiança é extremamente frágil e difícil de achar. Que os buquês de flores só encantam os olhos momentaneamente. Que a voz de alguém pode salvar um dia inteiro e que o sorriso pode salvar uma vida. Que um abraço pode ser, simplesmente, o melhor lugar do mundo e que um amigo é como um abrigo, se soubermos conservar. Que devemos fazer como o sol e, mesmo após a tempestade, nos reerguermos para voltar a iluminar o caminho. Que a beleza é a carcaça de um coração e não mostra nada de como ele é por dentro; as pessoas podem ser lindas e seguras por fora, mas por dentro não conseguir por nada no lugar.
A gente aprende a não desistir só porque as coisas ficaram difíceis. Pois a dificuldade estará sempre por aqui, mas devemos manter a fé firme e os pés seguros de que só nós mesmos poderemos destruir um espinho no caminho, ou pisaremos nele e sofreremos mais. A gente aprende a errar e a continuar mesmo errando, pois, de erro em erro, uma nova aprendizagem se cria e de aprendizagem em aprendizagem, uma nova experiência nasce. E é assim que eu faço morada no coração das pessoas. Sou aquela velha história que você tem vergonha de contar, e que, hoje, percebe que o passado nunca vai mudar. E que eu, a experiência, estarei sempre aqui para que possa lembrar que você errou, aprendeu e agora pode a quem quiser me contar. São coisas que a gente aprende com a vida e que vai aguardando no canto do peito pra poder sempre lembrar.
Sâmela Faria 
Insta: @samela_faria / Fanpage 

Esse texto participa da blogagem coletiva selecionada lá na fanpage com meus leitores lindos.

4 comentários:

  1. Nossa que texto lindooooo, um dos melhores que li parabéns bjs
    http://golivercacau.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa! Quanta gentileza. Fico feliz que tenha gostado. Obrigada Claudia! <3

      Excluir
  2. Parabéns! Amei suas escritas, sucesso.

    Deus te ilumine sempre para aprender sempre mais, ♥

    http://petalasdelicadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi lindeza!
      Obrigada, fico feliz que tenha gostado.
      Continue por aqui viu?!
      Volte sempre! <3

      Excluir

Deixe sua opinião para nós, viu?! É bom contar com a ajuda de quem nos lê. Os comentários sempre serão respondidos.
Relaxem e teclem conosco. :*

© Escrituras da Alma - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
Modificado por: Sâmela Faria | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo