Conheça nossa página

Quando a alma faz silêncio

Abrir o editor de textos, não significa, precisamente, que se tem algo a dizer. Não significa que se tem muito a falar e que, mesmo diante de muitas palavras não ditas, hoje, eu teria aquela minha crise emocional de vomitar tudo lindo com as frases mais sinceras que podem sair do coração e da alma. Na verdade, abrir o editor de textos – ou pegar um pedaço de papel e uma caneta – não quer dizer muita coisa. Hoje, principalmente. Até mesmo para quem escreve – bobagens – como eu, se depara em certos momentos, com o silêncio constante e o frio que nos consome em dias nublados; em dias em que nada parece ser bom o bastante.

Há dias que o transbordar da alma está muito quieto e você mal consegue lhe ouvir. Mal consegue puxar uma boa prosa e, mesmo que procure no fundo saber o que está acontecendo, não obtém retorno. Não obtém nada em troca. Mas eu ainda estou aqui, e como vocês podem ver, espremo, talvez, os últimos suspiros de hoje. Ou dessa semana. Eu não sei. As coisas são tão imprevisíveis que, mesmo com planos e objetivos, jamais chegaremos ao seu formato real, ao seu concreto acontecer.

E olha que eu nem estou triste, ou coisa assim. Ou talvez eu esteja, mas é que a alma está silenciosa. Calada demais. Eu não sei dizer o que se passa dentro, nem fora. Minha alma está fria e mal consegue responder aos meus comandos. Talvez eu deva deixá-la intacta, sem mexer. Ou ainda, abordá-la mais, e ver o que se passa por aqui. Deve haver um motivo, e talvez, por entre sua imensa frieza, eu não mais esteja percebendo as coisas. E se dela não sai nada, de mim menos ainda.

Sou um alvoroço quando quero, mas a alma grita bastante também e, se ela não está a fim de gritar hoje, eu também me calo. Talvez ela esteja apenas cansada e seu grito tenha se chocado com o que jamais deixou de acontecer, ou ela descobriu, finalmente, que gritar, de nada adianta. Não há barulhos, nem ruídos. Há um silêncio mortal. Um desespero que eu não faço ideia da onde vem e nem para onde vai.

A alma é tão delicada que, vez ou outra, transmite uma paz insubstituível. Mas, hoje, ela prefere não me envolver em suas crises, e, deixou meu coração doer mais. Deixou meu emocional devaneando, e minha voz, muda. Por tempo indeterminado. Só espero que ela retorne, logo.
- Sâmela Faria 

10 comentários:

  1. Sâmela, sua linda! <3

    Conseguiu traduzir tudo o que venho sentindo ultimamente! Acho que é bem isso: não é que sintamos nada, é que há tanta coisa acontecendo dentro da gente que não não conseguimos processar.
    Esse final de ano tá osso pra mim, tá sendo o pior semestre até agora na faculdade, e já estou enxergando três cordas no pescoço (uma pra cada matéria que é provável que eu pegue recuperação). Então, minha inspiração para criar algo está praticamente nula, pois tô tão doida com outras coisas que acabo não sabendo canalizar o que sinto.

    "Não há barulhos, nem ruídos. Há um silêncio mortal. Um desespero que eu não faço ideia da onde vem e nem para onde vai."

    Amei <3

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Nina, eu senti exatamente a mesma coisa, hoje, que foi quando o escrevi. E por isso foi tão natural e real. Mas, fico feliz que isso passe, porque sempre passa mesmo. E daqui a pouco, nós, já estamos criando de novo.
      Muito obrigada!! Fico feliz mesmo que tenha gostado e se identificado! <3
      Volte sempre, Nina!!

      Excluir
  2. Que lindo! Tem dias que me sinto dessa forma. Li seu texto me vendo dentro dele. Bjs

    http://www.garotadosuburbio.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a maioria de nós Susany!
      Obrigada linda!
      Volte sempre!!

      Excluir
  3. Nossa! que texto ._. amei, muito bom! escreve bem demais! aguardando um livro o-o

    manias de Beauté

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, muito obrigada!
      Publicar um livro é o sonho de qualquer um que escreve e gosta muito. Quem sabe?!
      Volte sempre!! ♡

      Excluir
  4. "...mas a alma grita bastante também e, se ela não está a fim de gritar hoje, eu também me calo.". Existem esses momentos meio sem definição, às vezes, né? Acho que principalmente com quem escreve. Você não sabe se está triste, se está cansada, se está.
    Como não gostar da delicadeza de suas palavras, Sâm?
    Um beeeeeeeeeeijo enorme, amorzinho <3

    http://listadasnuvens.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh, se existe! E não são tão raros quanto pensam não é?!
      Muito obrigadaaa! Sorriso se estende com leitoras tão gentis que eu tenho!
      Obrigada, mesmo!
      Volte sempre!! ♡
      Beijos

      Excluir
  5. Minha nossa, que texto lindo! Realmente é a descrição perfeita de quando a gente sente que talvez tenha algo a escrever, ou talvez não, e passa horas segurando a caneta, ou com os dedos pairando os teclados. Amei!

    Um beijo grandããão!
    Cá do Aquela Princesa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente assim Carol!
      Muito obrigada!!
      Volte sempre! ♡
      Beijos

      Excluir

Deixe sua opinião para nós, viu?! É bom contar com a ajuda de quem nos lê. Os comentários sempre serão respondidos.
Relaxem e teclem conosco. :*

© Escrituras da Alma - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
Modificado por: Sâmela Faria | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo