Livros,

#Resenha: Quem matou Pacífico? - Maria Alice Barroso

fevereiro 09, 2019 Sâmela Faria 0 Comments


 
Título: Quem matou Pacífico?

Autora: Maria Alice Barroso

Editora: Mercado Aberto

Páginas: 150

Ano de publicação: 1981

Onde comprar: Estante virtual



           Maria Alice Barroso escreveu “Quem matou Pacífico” como uma história fictícia da região do interior do Rio de Janeiro, que ela chama de Parada de Deus. No entanto, o que a autora talvez não tenha se dado conta no momento em que escreveu essa história é que tudo o que aconteceu com esses personagens é fruto de uma forte identidade cultural, tanto do local em que se passa tanto da época em que se conta.




            A História



          Em “Quem matou Pacífico”, temos uma morte que chama a atenção de todos. O irmão do prefeito, Pacífico, é assassinado silenciosamente com dois tiros em frente à casa de Luzia, no cemitério onde a moça mora. A moça, Luzia, era sua amante, como todos ali sabiam, mas não se limitava a apenas estar com Pacífico.

           Além de Pacífico, existiam outros: O piloto, o francês e o português. A tensão está posta na cidade de Parada de Deus, pois ninguém ouviu e viu nada naquela noite, só se sabe que o piloto havia jurado matar os outros pretendentes de Luzia.

          A história se passa com esse mistério para ser desvendado. O delegado da cidade, visto como um homem muito bom no que faz, está averiguando o caso, prendendo os possíveis assassinos e ouvindo quem acha importante ouvir.

           Mas quem teria coragem de matar um homem como Pacífico? No qual todos os seus inimigos e de sua família tão poderosa amanheciam mortos e sem vestígios? Conforme o delegado vai averiguando, descobre que mesmo quando todos podem ter certeza do que está acontecendo, o final pode ser totalmente diferente.

           Capa, escrita e detalhes



         O livro traz uma vasta performance dos modos da década de setenta de se vestir, falar, viver. Um fato interessante da história é que é possível sentir-se parte daquela cultura, como um visitante que está ouvindo a história de alguém que já contou isso mais de uma vez.

         O modo com que a autora escreveu a história, deixando claramente as falas da época fortemente presentes no livro foi incrível, como nessas falas:

“E o que é que ocê tem com isso?”. “Nada. Só tou perguntando por perguntar, uai”.

          É uma escrita bastante pessoal, individual, diferente, mas ao mesmo tempo muito fluída.

        É possível perceber também que há muita memória na escrita do livro, pois trata-se de ricos detalhes de como era o local na época, como as pessoas viviam e como resolviam seus problemas.

          Ainda é possível perceber a memória presente no livro quando os personagens vão narrando os fatos e cenas, o que haviam acontecido anos antes e que tem toda importância para o momento atual em que a história é contada.

          Essas memórias fazem parte do acervo cultural dessas pessoas, de sua identidade, seus modos de pensar, seus saberes e jeito de ver o mundo.

          Outro ponto fortemente presente no livro é a questão da escravatura, pois faz parte da memória cultural daquele povo o negro como escravo, mas ainda no atual momento da história é possível perceber a inferioridade atribuída ao negro.

Um exemplo disso é a própria mulher de Pacífico que, por ser negra e ex escrava, é vista como uma vergonha para ser esposa de um homem rico.

          Além disso, está presente também a forma com que as escravas eram usadas pelo branco, sendo largadas de lado logo após terem sua virgindade tirada, mesmo que engravidassem. Neste fato, ainda temos os casos de filhos de escravas com os patrões, que não eram reconhecidos.

          Conclusão



          O livro evidencia uma mistura de culturas. Os modos de ser de quem vem do exterior, no caso do francês. Os modos de ser de quem vem da cidade grande, no caso do piloto. Os modos de ser de quem mantém um restaurante português no Brasil, em uma cidadezinha do interior, no caso do português.

          Além disso, temos vários dilemas retratados no livro: a esposa que é aprisionada pelo próprio marido; o filho que não é reconhecido pelo pai por ser filho de uma negra; a moça que não se importa de ser vista com mais de um homem; o homem que cuida do cemitério mas que ainda chora a morte da esposa; o prefeito que quer vingar a morte do irmão; um crime bastante intrigante; inocentes presos mas que podem ser julgados como culpados e um delegado aflito para julgar o caso e condenar o verdadeiro assassino.

          Eu amei demais e nem imaginava que iria amar tanto assim! Recomendo muito para quem gosta de romances policiais, com mistério e bastante cultura envolvida.


Comentários
0 Comentários

0 Recados:

E você, o que achou do post? Me conte aqui nos comentários!
Deixe seu link para eu conhecer seu blog também. ;)