Conheça nossa página

Uma nota para você


Fonte da imagem
Você que não é princesa. Você que não é príncipe. Você que erra, que grita, que chora, esperneia. Você que é falho. Que desiste. Que liga o foda-se. Que é orgulhoso. Você que se esconde atrás de um riso todo santo dia, simplesmente por não saber mais como reagir.

Falo para quem sofre, mas também para quem ainda crê.

Falo para quem é, mas também para quem ainda pretende ser.

É tão difícil não ser falho. É tão difícil olhar no espelho e não perceber as profundezas dos nossos erros. Como robôs, às vezes damos falha no sistema. Precisamos reiniciar. Reprogramar. Começar tudo de novo, porque nem sempre dá para ir do jeito que está. E tudo bem. Tudo bem ir novinha(o) em folha, ou ir com os trapos de todo dia, contando que vá.

Falo para quem ama, mas também para quem quer amar.

Falo para quem foi, mas também para quem ainda é.

Não é como seguir em frente quando o que fazemos é parar e descarregar. É como recomeçar, mesmo que ainda estejamos no mesmo barco. Navegando pelo mesmo caminho. O que importa é o que há dentro de nós, pois isso ninguém pode roubar. Isso ninguém pode mudar, a não ser você. Siga o mesmo trajeto ou não, mas siga sendo quem quer realmente ser.

Falo para quem sente, mas também para quem quer sentir.

Falo para quem sentiu um dia, mas também para quem quer sentir de novo.

Para ser novo, não precisamos trocar a carcaça. Não precisamos mudar o trajeto, remar para o lado oposto. Precisamos recarregar as pilhas. Precisamos olhar de dentro para fora. Sentir de novo, de novo, de novo. Mesmo que não haja algo novo, mesmo que seja você, igualzinha(o) a antes, com uma realidade e sonhos totalmente diferentes.

Falo para quem quer recomeçar, mas também para quem já recomeçou.

Falo para quem quer ir, mas também para quem já foi e não encontrou o que queria.

Vá de novo. Mesmo com nada novo. Vá com tudo, mesmo que ache que o que tem é nada.

A gente nada, nada, nada até que encontre a maré baixa, a areia brilhando e as forças reerguendo. Aos poucos. Aos poucos. Aos poucos.

Mesmo no fundo, reme. Não se permita afundar.

Falo para quem navega, mas também para quem quer navegar.

Falo para quem para, mas também para quem não quer parar.

Nunca pare.

Vá de novo. De novo. De novo. De novo.

2 comentários:

  1. Que lindoo, amo qundo tem textos aqui haha.
    Bjsss
    https://claugoliver.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, lindona! E amo quando passa por aqui! <3
      Super beijo,
      Sâm

      Excluir

E aí? O que achou do post? Gostou? Tem alguma crítica construtiva ou dica? Deixe nos comentários! Lemos e respondemos a todos! Ah e deixe o link do seu blog para que possamos te conhecer melhor. Obrigada pela visita e volte sempre.

© Escrituras da Alma - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
Modificado por: Sâmela Faria | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo