Conheça nossa página

#Inspiração: Como eu era antes de você (JoJo Moyes) - Como eu me senti depois que conheci você

Obs.: Se você ainda não o livro, não leia este texto. Leia o livro antes.

Olho para você e vejo uma miragem, algo surreal, uma luz suave que faz os olhos brilharem. Teu jeito doce e encantador. Tua voz mansa e serena faz arrepiar os poros da minha pele cansada dos dias. Teus olhos pronunciam as melhores poesias, dessas que a gente nunca mais esquece, porque são sinceras, porque valem um riso contagioso no canto da boca. Olho para você e vejo a ânsia de viver, quero viver também. Olho para você e sinto a sensação pura do vento tocar a nuca pelada, o suave toque da alma chegar ao coração que já não mais sabe definir o que sente. É simples, porém grandioso, não há como explicar.
Olho para você e suspiro paz. Vejo o dia mais bonito, a vida descomplicada e um riso solto, leve e insondável apertar em minhas bochechas. Gosto disto. Gosto dessa leveza que você traz para minha vida. Gosto dessa profundeza em águas límpidas que você me faz mergulhar. Gosto desse dia pós dia que não traz dor, que oprime o sofrer e é contente só por existir. Por existir em um mundo onde não há algo que me cubra os olhos de prazer tanto quanto o teu sorriso. Tanto quanto a tua felicidade. Porque, quando olho para você, vejo a vida que não encontro por aí há tempo. E, por todas as esquinas em que eu virei, em nenhuma delas pude sentir-me livre e disposto a amar. E ser amado.
Não posso negar, há uma vontade absurda de seguir caminho contigo e, neste exato momento, sinto um frio maravilhoso de coisas novas pela frente. Sinto um maravilhoso friozinho de um novo trajeto, uma nova vida e sensações novas. E a verdade é que eu nunca soube o que eu realmente esperava encontrar na vida, portanto, nada procurei. E fiz de mim um vazio, nada tinha a oferecer. Mas foi bem assim que te encontrei e, por incrível que possa parecer, você quis entender o que eu tenho dentro do peito. Quis me ouvir, mesmo sem que eu tivesse algo a dizer. Eu tinha nada, mas aprendi a ser tudo. Tudo aquilo que eu sempre quis ser e não fui. Eu aprendi a me amar e, me amando, amei você também.
E hoje choro. Choro por não ter compreendido que todas as mudanças foram suficientes para que eu pudesse mudar o rumo da minha vida, da minha inexistência. Fui pego de surpresa duas vezes pelo destino, em uma, quis morrer, em outra quis continuar vivendo, respirando e apenas sendo eu mesmo. No entanto, o meu orgulho ainda vinha tirando a minha paz e a verdade é que eu não saberia viver em um mundo onde houvesse você e eu. Você se doando toda por inteira por mim e eu, coitado, sem muito a oferecer. Houve um tempo em que eu achei que pudesse viver, porém, por longas noites fui temido por pensamentos perturbadores que me diziam que eu não poderia fazer de ti uma prisioneira a mim. Eu não poderia acabar com sua vida, como acabei com a minha. E cheguei a uma conclusão de que você merecia viver e não só respirar ao meu lado. Você merecia ser feliz e eu mereço um pouco de paz. Paz de espírito, eu não sei. É, talvez o amor não seja mesmo suficiente. Mas eu te amarei, sempre. 
Love, Will
Sâmela Faria


2 comentários:

E aí? O que achou do post? Gostou? Tem alguma crítica construtiva ou dica? Deixe nos comentários! Lemos e respondemos a todos! Ah e deixe o link do seu blog para que possamos te conhecer melhor. Obrigada pela visita e volte sempre.

© Escrituras da Alma - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
Modificado por: Sâmela Faria | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo