Conheça nossa página

Sobre seu coração ferido



O corte foi fundo, mulher? Hum. Deve ter doído muito, eu sei. Mas não sangrou, né? Então é passageiro. Aliás, sangramentos também são, não te contaram? Devo alertá-la que vai doer mais um pouco, mais um pouco e depois mais um pouquinho, até, um certo dia, desgastá-la totalmente. E aí para de doer, porque, já disse, você sabe, dor nenhuma é eterna. Alegrias também não são. Tudo, cedo ou tarde, uma hora ou outra, acaba. Mesmo que você não esteja esperando, mesmo que você não esteja preparada. Ninguém nunca está preparado para o fim. Mas, todo mundo está sujeito a dar de cara com ele, assim, de repente, em alguma das próximas esquinas.
E aí, há aquele sacolejo. Você se detona, se odeia, se tranca em algum escuro qualquer sem alarmar ninguém e pretende, inconscientemente, ali morar o resto da vida. E então, os dias parecem ter parado ali, no tempo, congelado, sem mexer em nenhum segundo. E você continua vivendo, mas com a impressão de que nada passa e que as horas não mais se vão. E, sabe, você tem razão, as horas desaceleram sempre que nós tomamos conta dela. E agora eu te pergunto, acha mesmo que está sozinha nessa? NÃO! Estamos todos no mesmo barco, seguindo para algum lado que nem sabemos onde vai dar. Não sabemos se vai dar tudo certo, ou se, simplesmente, vamos naufragar.
O que quero dizer?
Que todo mundo, assim como você, já se sentiu assim pelo menos uma vez na vida. É claro que eu já quis sumir do mapa e até mesmo desaparecer com a chuva. Já quis voar com o vento e ser livre como o pássaro que ainda não foi injustiçado com uma gaiola. Eu já quis me perder nas linhas mal escritas do tempo, já quis retornar ao passado e escrever tudo de novo. Já quis flutuar como pluma e virar brisa por aí. Já quis perder o controle ao pé de um precipício profundo: aquele que a gente ainda respira, mas para respirar não faz nada.
O que quero te dizer, mulher, é que todo mundo pensa em desistir de tudo após ter o coração massacrado, mas, o pior que podemos fazer é continuar no chão após uma queda. O pior que podemos fazer é desistir de outros caminhos da vida só porque um te deixou com as bagagens na mão, sem rumo. O pior que podemos fazer é nos limitar a seguir em frente quando a tempestade insistir em te balancear. Ora, você sabe, tempestades passam também. Hoje você se encharca de lágrimas e move a tempestade externa para dentro de você, mas amanhã, meu bem, a tempestade seca, você se  liberta dessa ventania toda e, juro, volta a sorrir. 
Sâmela Faria 
Insta: @samela_faria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E aí? O que achou do post? Gostou? Tem alguma crítica construtiva ou dica? Deixe nos comentários! Lemos e respondemos a todos! Ah e deixe o link do seu blog para que possamos te conhecer melhor. Obrigada pela visita e volte sempre.

© Escrituras da Alma - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
Modificado por: Sâmela Faria | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo