A saudade é uma miragem



Postagem coletiva do grupo Escritores da Era do Compartilhamento da qual participo, o tema para o texto é SAUDADE. 

Já ouviu falar da saudade? É claro que já. Todo mundo já chorou uma dor, já quis sumir do mapa ou já sofreu por amor. Todo mundo já passou pelo simulado da culpa, do orgulho e do temor, mas ninguém lembra mais a nota que tirou. Porque doeu, porque machucou. A falta tem os mesmos sintomas. A gente lembra a história inteirinha, desde as primeiras palavras até as últimas. Mas ninguém quer saber o porquê de tudo, e sim o porquê de não mais existir. A gente sabe como, mas não aceita. Não acha justo. E quem disse que seria?
Aí a saudade vem e com ela vem mais alguém. Alguém que causou manifestação de alegria e também de ira. Alegria ao chegar, porém ira ao ir. Mas é assim: todo mundo, um dia, se vai. Se não é pela esquina da vida, é pela esquina da eternidade. E a gente vai ficando aqui o quanto ainda tiver que ficar. E no meio disso tudo, tocar a vida pra frente, torna-se o nosso maior desafio. Vamos vivendo de falta aqui e mais um pouquinho ali, sem hora pra chegar e sem a menor data prevista pra sair.
Sinto saudades. Digo isso e choro feito criança quando perde o brinquedo que a mãe comprou com carinho. É que, de fato, nunca estaremos preparados pra perda e o pior de tudo é saber que ela nunca acaba. Vivemos ganhando aqui, mas perdemos sempre mais um pouquinho ali. Se não é a idade, é a ingenuidade. Se não são as pessoas, são os sonhos. E se perdemos os sonhos, perdemos o prazer de viver, mas continuamos vivendo. E a gente acaba aprendendo que a vida é feita de eternas saudades. Saudade daquilo que quebrou e que tinha muito valor. Saudade de alguém que se foi com o tempo, com a injustiça, com a própria vida. Saudade daqueles que viraram a esquina e nunca mais vimos voltar. Saudade dos que foram até ali na frente e não mais eram os mesmos. Tornaram-se outros. Porque, a vida é isso: mudança repentina.
A saudade é uma miragem, algo que você vê, sente e até chora, mas não pode tocar.
Uma boa miragem, mas que dói muito. É que reviver o passado já não é mais o meu objetivo e o que faz parte do passado, já não tem mais espaço aqui no presente. Criei intolerância com as idas. Injusto, porque ainda dói. A saudade, meu caro, é estrondo. É transtorno fora de hora. É constância fora de casa em qualquer mero espaço. É música no último volume de fazer com que o modo aleatório entre em modo de repetência. É lembrança repentina e dor mal curada. É um ponto final mal escrito, uma palavra mal soletrada, uma história mal terminada. É a perca irreparável e que dói mais que tudo. É querer buscar um sentindo na vida e encontrar a angústia de uma noite mal dormida e de um dia mal vivido. Sentir saudade é não se entregar a vontade de pular de um penhasco, mas decidir viver mesmo sabendo que a luta pela vida será bem mais difícil. Porque a saudade trás de volta tudo aquilo que você viveu e que, por algum motivo brusco, não pode viver mais.
A vida é uma colcha retalhada com histórias. E em cada nova costura, se cria um novo trajeto, uma nova forma, porém ganhamos mais novas saudades também. Sinto falta de sentir saudade apenas dos brinquedos que quebraram, porque, hoje, sinto saudade de coisas que fazem quebrar um coração inteiro. 
Sâmela Faria 
Insta: @samela_faria / Twitter: @samelaestefany / FanPage

Abaixo você encontra outros escritores que também participam do grupo e que participaram dessa postagem coletiva, vale a pena dar uma conferida nesses lindos aí (vou atualizando conforme os outros amiguinhos forem postando):

4 comentários:

  1. Oi Sâm, minha quase xará, me vi nesse texto teu. Por inteiro. Saudade é tudo isso mesmo. E apesar de doer a gente sempre quer senti-la. Acho que ela dá sentido à vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha. Quase xará! <3
      Penso assim também Pâm, não sei o que seria de mim se não sentisse saudade dos momentos que já vivi na vida.
      Volte sempre!
      Beijos,
      Sâm.

      Excluir
  2. Seu texto lindo, me fez pensar muito numa coisa. A saudade é um sentimento bom, apesar de tudo. É tão contraditória, vem acompanhada de lembranças enquanto estamos sozinhos, é injusta mas e gostosa... Lindo texto, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema da saudade está na intensidade! Hahaha.
      Obrigada Nath, fico feliz que tenha gostado!
      Volte sempre.
      Beijinhos

      Excluir

Deixe sua opinião para nós, viu?! É bom contar com a ajuda de quem nos lê. Os comentários sempre serão respondidos.
Relaxem e teclem conosco. :*

© Escrituras da Alma - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Renata Massa
Modificado por: Sâmela faria | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo