Conheça nossa página

Quando estou com bloqueio



É que as pessoas sempre me perguntam: O que você faz quando está com bloqueio?
E a minha única resposta é: Leio.
Eu leio sim, e muito. Porque descobri que o melhor jeito de se inspirar quando se está com bloqueio é lendo outras obras e, de preferência, de autores que você gosta. Eu leio muito mesmo. E diante, às vezes, de uma única palavra já surge uma nova história para ser lida também.
Mas o mais engraçado é que, quando você se encontra nesse estado de precariedade que limita seus pensamentos, sentimentos e emoções, qualquer coisa que se pensa depois pode muito bem virar um texto, mas não vira. Não vira porque falta um batuque, falta uma magia, um encantamento maior. Embora as pessoas achem que escrever é fácil, há dias em que nada sai, nada entra. Há dias em que muito se pensa e pouco se escreve. E dias em que você simplesmente está cheia demais e acaba transbordando muito.
Acontece que, agora, eu parei de me cobrar. Quando a gente se cobra demais, acaba recebendo bem menos do que o esperado. Ando esperando nada e encontrando muito. Ando esperando muito e encontrando nada. São coisas da vida, mas que, se você quiser, dá pra trapacear um pouquinho aqui e ali para se sentir melhor no dia a dia. Ando deixando rolar, sentindo aos pouquinhos o que tiver que sentir e, em um golpe grande, jogo tudo em palavras quando dá pra jogar.
Esse é o meu jogo predileto, jogar com as palavras. Agora deixo com que elas me encontrem, com que elas me interpretem, me completem. E só transbordo quando o coração já tá entalando, quase não mais aguentando. Faço das minhas surras da vida, um caminho para alcançar as coisas boas mais a frente. E deixo que as emoções se juntem aqui dentro e façam bom proveito da alma aniquilada, fria e calculista.
Porque a alma também sofre bloqueios. Tem dias que sequer ouço seus ruídos; tem dias que não entendo o que diz, de tanto que fala. Mas bloqueios servem de impulsos. Você se impressiona com o que pode escrever após ser tão limitada, a alma berra de faltar voz, mas não perde o fôlego. 
- Sâmela Faria

4 comentários:

  1. Gostei do seu relato!
    Amei o seu blog
    Seguindo sua Fan Page e seu blog,se puder me segue?
    Meu instagran: @luanacarvalhoi, te retribuo lá!
    http://meuestiloe.blogspot.com.br/
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda!
      Volte sempre e seja muito bem vinda!
      Beijos, Sâm.

      Excluir
  2. Não canso de dizer o quanto amo teus textos...

    bjjss,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Lexi! <3
      Volte sempre!
      Beijos

      Excluir

Deixe sua opinião para nós, viu?! É bom contar com a ajuda de quem nos lê. Os comentários sempre serão respondidos.
Relaxem e teclem conosco. :*

© Escrituras da Alma - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
Modificado por: Sâmela Faria | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo