Conheça nossa página

Pela liberdade de mudar: adeus solidão


Há tanta gente aqui. Tanta gente por aí. Todo mundo tão junto, todo mundo tão separado. Uma multidão. Multidão de vazio, talvez. Multidão de egocentrismo, quem sabe. Sempre há de tudo por aí, não é mesmo? Como nesse exato momento: vejo pessoas rodeando a praça principal da cidade. Andam tão juntas, ao mesmo tempo tão sozinhas. Todos por ninguém, muitas vezes. Um por todos e todos por um? Raro. Um por um mesmo? Normal. Será egoísmo? Será medo um dos outros? Serão as muitas tentativas de vencer na vida que não permitem que um dê a mão ao outro? Serão as diversas vezes em que nossa mãe disse para não falarmos com estranhos? Aprendemos a ser um estranho perfeito. Aprendemos a ser um só, mesmo em uma multidão.
E tudo bem. Juro.
É que, de fato, ser sozinho não é problema nenhum. Ser sozinho significa que a gente consegue, mesmo sem plateia. Mesmo sem alguém para dar aquela força, pois nos tornamos a nossa própria força. Nós nos tornamos inabaláveis e quem não quer ser inabalável sem precisar ter superpoderes? Quem não quer passar pelas etapas da vida sem ter que depender de um efeito purpurina que nos salve dos males? Quem não quer salvar-se, sem ter de esperar o príncipe do castelo branco chegar com sua espada? Pelo amor. Todos nós queremos ser nossa própria salvação. E, acredite, nós somos. Só precisamos, às vezes, descobrir isso. Porque não adianta alguém contar a você, você é quem precisa se descobrir.
A gente aprende a andar por aí com as próprias pernas, sem precisar esperar que alguém possa nos carregar no colo. A gente aprende, cara. Quebramos a cara. Erramos várias e várias vezes. Voltamos atrás. Tentamos desistir. Mas, de alguma forma, a gente continua. E dane-se se houve erro nessa margem toda que é a vida. Sempre há um jeito das coisas se consertarem. Sempre há um jeito de a gente tentar de novo. E que maravilha! Poder contar consigo mesmo é maravilhoso. Uma das melhores sensações da vida. Mas, quando as coisas começam a nos afetar, podemos mudar, sabe?
Não é porque aprendemos a ser sozinhos que precisamos, necessariamente, continuar sempre assim. A verdade é que a gente tenta fazer da vida, a vida que quer levar. Quis ser sozinha esse tempo todo? Ótimo. Agora não quer mais? Qual o problema nisso? Medo? Eu sei. É normal sentir medo de deixar nosso casulo e abrir as asas para enfrentar um novo mundo. É normal não querer sair do comodismo da alma, mas, já parou para pensar que às vezes pode ser preciso? Se pra você as coisas estão vazias, sem graça e você deseja que alguém ajude a preencher esse vazio, não precisa tentar se privar. O ser humano é adaptável.. 
E mesmo que tenha tudo para dar errado, pode dar certo. Sabe por quê? Porque se der errado, meu bem, você pode recomeçar. Superar. Mudar outra vez. Não precisamos encontrar um molde de vida perfeito. Porque não existe perfeição. Você não precisa criar um mundo dinâmico de onde jamais possa sair, entende? Vai lá abre uma porta, entra, faz morada, cansou? Deu errado? Não quer mais? Saia pela mesma porta e recomece o ciclo. Não é viver à procura da vida perfeita, mas viver. Apenas viver. Porque  a vida não precisa de adjetivos, ela por si só já faz seu trabalho em ser complexa o suficiente. E somos nós seu brinquedinho. Seja aquele brinquedo que, mesmo ao quebrar, continua sendo insubstituível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E aí? O que achou do post? Gostou? Tem alguma crítica construtiva ou dica? Deixe nos comentários! Lemos e respondemos a todos! Ah e deixe o link do seu blog para que possamos te conhecer melhor. Obrigada pela visita e volte sempre.

© Escrituras da Alma - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
Modificado por: Sâmela Faria | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo